As viagens de comboio sempre foram algo que me fascinou.

Durante as minhas viagens, em especial na minha volta ao mundo, muitas e longas viagens de comboio realizei. Foram dias partilhados com pessoas de várias partes do mundo, com culturas diferentes e com vidas repletas de histórias.

É um desses episódios extraordinários, que se passou comigo e o meu amigo Jorge, a bordo do Transiberiano, que partilho convosco:

Eram 3 da manhã e estávamos na plataforma da estação de Tyumen, o sol já ia bem alto e Dima grita para nós: “You are beautiful people”.

Dima foi uma das várias pessoas que marcaram a nossa viagem no transiberiano até Irkutz na Sibéria. Tinha de escrever sobre ele e sobre os outros com quem partilhei este pedaço da minha vida, este troço da minha aventura.

A vida a bordo do transiberiano, para mim, ficou mais marcada pelas pessoas que conhecemos do que pela viagem em si. Elas sim, na minha opinião, caracterizam uma viagem no Transiberiano. E para esse efeito qualquer viagem longa a bordo dum comboio pode ser suficiente. Se não se sai da cabine, se não se conversa com as pessoas a experiência é completamente insípida.

As pessoas vão entrando e saindo ao longo da viagem. Algumas apenas tivemos oportunidade de conhecer por uns dias, outras por toda a viagem. Ao longo destes quatro dias conhecemos muitas pessoas.

Começando por uma das nossas “Provodnitsa” (assistente de carruagem), de nome Tamara. Uma mulher gordinha, loira, que vestia uma farda com saia azul escura e camisa azul-bebé ou branca, tal como todas as outras “Provodnitsa”. Simpática e bonacheirona, acabou por ser uma pessoa com quem travámos amizade ao longo da viagem sem ela dizer uma única palavra de Inglês e eu apenas uma ou duas de russo.

painéis com os horários dos comboio em cirílico
Painéis com horário dos comboios.

Aliás, sempre que eu agradecia e dizia “spasiba”, ela ria-se muito. Até pensei que estava a dizer mal, mas mais tarde soube por outro russo, o Dima, que digo essa palavra muito bem e sem pronúncia como ele dizia. A outra “Provodnitsa” não era muito simpática mas também estava menos presente que Tamara.

Houve ainda o russo gordo que dormiu duas noites na nossa cabine e fazia mais barulho a roncar do que o próprio comboio. Havia ainda uma equipa de voleibol masculina, toda ela antipática, e um casal americano que sonhava dar a volta ao mundo como nós entre outros.

Nos dois primeiros dias, no corredor do vagão, andavam a brincar umas quatro miúdas, talvez entre os 4 aos 10 anos, com quem me meti. Brinquei com elas um pouco, ensinei-lhes a “dar-me 5” e a partir dai não me voltaram a largar. Duas delas eram irmãs e o pai quando me viu a brincar com elas veio logo apresentar-se e dizer com muito orgulho que eram Ucranianos e não Russos. Esta diferença e este sentimento é algo que se sente imenso. As pessoas nem gostam de ser comparadas.

As miúdas foram saindo e os pais sempre que saiam com elas agradeciam-nos e as miúdas também. Passados 2 dias ficou apenas a Vica que sempre que me via vinha brincar comigo. Foi assim que se manteve connosco até ao nosso destino.

E depois houve o Dima! A pessoa que realmente mais me marcou nesta viagem. Apresentou-se logo no primeiro dia à noite e na manhã do segundo dia, quando demos por ela, já estava a cantar os parabéns ao Jorge.

a vida dos passageiros do transiberiano num corredor de uma carruagem
Passageiros do transiberiano.
carruagens do transiberiano a atravessar um bosque na Rússia
Carruagens do transiberiano.

Era um rapaz grande, musculado, cabeça rapada e olhos azuis. Nasceu em 1978, tal como eu. Essa coincidência deixava-o feliz. Aliás tudo o deixava feliz. Ele confessou nessa tarde que nós éramos os primeiros estrangeiros com que ele tinha alguma vez falado.

Falava inglês suficiente para nos entendermos e para nos ajudar ao longo do dia. Conversámos bastante nesse dia. Ajudou-nos a comprar comida, oferece-nos da sua comida e comprou-nos gelados. Era de facto um rapaz muito simpático. Ao mesmo tempo falava muito com Tamara e quando demos por ela estávamos os quatro sempre a conversar no corredor.

Dima começou a partilhar partes da sua vida e disse-nos que era um Policia que regressava a casa depois de visitar amigos perto de Moscovo. Falámos sobre tudo e mais alguma coisa.

Mais tarde e ao final do dia entra para a nossa cabine o Jenas, um russo de 26 anos que trabalhava numa fábrica de motores de aviões e que ia a casa passar 3 semanas de férias. Dima começa a falar com ele sobre nós e após um bocado estávamos todos na cabine do Dima a conversar e a ver fotos da sua família.

Por esta altura estava também presente a Tamara. Por entre uns copos de vodka Dima resolve contar-nos que já não era polícia. Contou-nos que durante o seu trabalho, mas em legítima defesa, tinha dado um tiro numa pessoa e que neste momento regressava a casa depois de 6 anos na prisão. Dizia-o de forma honesta como que não querendo começar uma amizade com uma mentira.

Nesse momento sentia-o triste, mas ao mesmo tempo aliviado por nos ter contado. É estranho conhecer-se uma pessoa há tão pouco tempo e ver a honestidade e sinceridade estampada no seu rosto.

Continuámos pela sua cabine, a falar sobre tudo e mais alguma coisa até ele sair. Sobre o nosso projecto, sobre a Rússia, sobre Portugal. A Tamara de vez em quando aparecia e colocava perguntas para o Dima nos fazer. Comemos, bebemos, trocamos contactos e rimo-nos imenso. Foi de facto uma noite diferente.

menina russa no corredor de uma carruagem do transiberiano
Menina russa,

Quando começamos a tentar fazê-los dizer umas palavras em português, a primeira palavra que ele quis saber foi: Life! Ou seja, vida. Perguntei-lhe porquê… ele sorriu e nada disse.

Para mim era o que ele estava a sentir. Que a sua vida iria recomeçar agora, depois de seis anos longe de tudo e de todos. Sentia-o feliz. E esbocei um largo sorriso.

Sem combinarmos nada, quer eu quer o Jorge, ficamos com ele até chegar à sua terra. Depois da sua boa vontade, da sua simpatia e sobretudo da sua honestidade, acho que foi automático e deixamo-nos ir, ficando a conversar.

Era perto das 3 da manhã quando chegamos à terra de Dima, Tyumen, a primeira cidade da Sibéria.

Juntamente com Tamara despedimo-nos dele na plataforma.

Visivelmente emocionado Dima despede-se de nós com um: “You are beautiful people!” e segue o seu caminho para a sua nova vida.

São momentos como este que se podem viver por estes lados do mundo. Viajando de comboio, em viagens longas, e onde todos os contactos pessoais se transformam em experiências de uma vida.

rui magro correia e o russo dima
Na companhia de Dima, o russo que alcançou uma nova vida.