Mar Báltico. Localizado no extremo nordeste da Europa, banha boa parte da Escandinávia, Polônia e três ex-repúblicas soviéticas, que, a distância e pelo nome, dão a impressão de serem muito parecidas: Estônia, Letônia e Lituânia. Quando na verdade são muito diversas e encantam cada qual a sua maneira tornando uma viagem pela região repleta de descobertas a cada nova cidade e paisagem. Desde 2004 os três países são membros da União Europeia e a cada dia estão se integrando mais ao restante do continente. Tudo isso tem facilitado o turismo e viagens por essa parte do continente ainda pouco explorada. A recente adesão ao Euro em dois dos países (Estônia 2011 e Letônia 2014), o passado soviético e a percepção do turismo como fonte de renda – hoje o turismo representa 15% do PIB da Estônia, por exemplo – faz com que os preços ainda sejam bastante baixos se comparado a outros países europeus. Na Lituânia a presença da moeda litas (Lt) deixa o custo de vida e de viajar ainda mais baixo.

As opções para viajar pelos países são muitas, as companhias aéreas europeias low-cost já possuem voos diários de diversas capitais para Tallin, Riga e Vilnius, a região é muito bem servida de ônibus que vão para Polônia, Alemanha e República Tcheca, os trens também são uma alternativa, mas são mais lentos e com preços muito próximos aos dos ônibus. Aqueles que possuem maior disponibilidade financeira, podem, conhecer esta porção do continente em um dos muitos cruzeiros que navegam pelo Mar Báltico, especialmente no verão. As opções de hospedagens também são variadas, desde hotéis de luxo, hotéis budget e contando nos últimos anos com a popularização de hostels e campings. Outra alternativa muito comum, principalmente para os meses de primavera e verão, quando os dias são mais longos e quentes, são os motorhome e trailers, que dão ao viajante a possibilidade de escolher onde dormir a cada noite e também uma maior mobilidade, embora a locomoção não seja um problema nos três países, os ônibus sãos bastante confortáveis e com uma boa frequência entre uma cidade e outra.

Apesar das muitas diferenças os três países possuem aspectos históricos em comum e que tem consequências diretas a suas vidas contemporâneas. Cada país a sua maneira, dá grande destaque para as diferentes ocupações autoritárias e violentas que, as hoje, repúblicas sofreram durante todo o século XX. As capitais Tallin, Riga e Vilnius possuem todas, museus que retratam as ocupações nazista e soviética que os países estiveram submetidos entre 1940 e 1991. Além disso, tais museus tratam da memória e história daqueles que resistiram às ocupações, deixando vivo um passado que ainda é muito dolorido para muitas gerações. A Lituânia foi a primeira república soviética ocupada a se tornar independente da União Soviética e a recuperar sua soberania através da declaração da independência de 11 de Março de 1990, Letônia e Estônia conquistaram suas independências um ano mais tarde. Os estonianos desde 1869 celebram um Festival de Música Popular todos os anos, em 1988, tal festival reuniu mais de 45 mil pessoas cantando pela independência frente a URSS, ficando conhecido como “Revolução cantada”, e desde então todos os anos a população da Estônia sai às ruas no mês de julho para celebrar sua independência cantando.

muralhas do castelo de tallin
Muralhas do castelo de Tallin, Estónia.
envolvente do castelo de Kuressaare
Envolvente do Castelo de Kuressaare.

Apesar de um passado recente de autoritarismo e violência, hoje os três países vivem um momento único de paz e prosperidade o que faz da passagem pela região algo inesquecível. Uma boa sugestão de roteiro é, partindo de Tallin (Estônia), ir em direção ao sul até chegar em Vilnius (Lituânia), explorando todas as possibilidades que surgirem pelo caminho. A Estônia surpreende o visitante por seu aspecto rural e simples, muito mais próximo da Finlândia, tanto em relação à língua quanto a alguns aspectos culturais. Com apenas 1,4 milhão de habitantes, as paisagens planas e campestres são destaque no horizonte. Tallin, a capital, é uma cidade que com pouco mais de 400 mil habitantes traz uma mescla incrível: o centro histórico medieval destaca-se por seu charme, suas igrejas – a cidade é privilegiada pela mistura de igrejas ortodoxas, presbiterianas e católicas – os prédios históricos, suas vielas de paralelepípedo fazem você sentir voltar no tempo. No topo da colina no centro da cidade há uma incrível vista da baía de Tallin. Ao mesmo tempo, os bairros do lado de fora da muralha são marcados por prédios e shoppings modernos, tudo em meio a muito verde e parques públicos. Um pouco mais afastados estão os grandes conjuntos habitacionais soviéticos, onde a arquitetura funcionalista toma forma no horizonte. Em toda a cidade alguns antigos edifícios soviéticos estão abandonados e dão um ar misterioso, mostrando que aquele lugar tem um passado que não lhe pertence mais e um futuro que ainda promete muito.

Entretanto, a Estônia vai muito além de Tallin, se você dispõe de mais alguns dias vale se aventurar pelo interior do país, são muitos os destinos possíveis, um deles é o Parque Nacional de Lahemaa, a oeste da capital, este é o maior parque do país e atrai muitos turistas e ciclistas. Outra alternativa são as diversas ilhas do país, a maior delas é Saarema, sua principal cidade Kuresaare, está a três horas de ônibus da capital. Lá você encontrará boas acomodações, assim como boas opções de restaurantes e supermercados. A cidade, além de um enorme e muito bem conservado castelo – com direito a fosso inundado – é também uma boa base para explorar o restante da ilha. Como todo o país é uma grande planície, as ciclo rotas são uma excelente maneira de conhecer os campos, as praias e as belíssimas paisagens que essa região quase despovoada do país proporciona aos visitantes.

Com um ou dois dias na ilha você pode conhecer suas florestas desertas – se der sorte cruzará com alguns animais silvestres como raposas e veados – seus moinhos de vento, as enormes praias, os vilarejos aconchegantes e o mais encantador, o silêncio, a imensidão vazia. Pedalar pelo interior da Estônia é uma experiência que faz você repensar a vida na cidade. Não é preciso dizer que tudo isso deve ser feito de preferência no verão quando os dias são extremamente longos, com quase 24hs de luminosidade e as temperaturas mais amenas.  Entretanto, é possível imaginar o que sejam essas paisagens cobertas de neve. Ainda na Estônia em seu litoral sul está Parnu, o mais famoso balneário do país. A cidade é conhecida como “a Copacabana da Estônia”. E é para lá que boa parte dos habitantes do país e também da Rússia vão para desfrutar os longos dias de verão.  A pequena e charmosa cidade a beira do mar Báltico é um bom ponto de parada se você está em direção a Letônia.

ponte de madeira na ilha de saarema
Ilha de Saarema.
praia na baia em parnu, mar báltico
Praia em Parnu.

Saindo de Parnu em poucas horas você chega a Riga, capital da Letônia. Fundada em 1201, é a maior das cidades dos três Estados bálticos, com uma população de 730 mil habitantes. Nela está a Estátua da Liberdade de Riga, que com 43 metros de altura é um dos monumentos mais altos da Europa. Ao chegar na cidade logo se percebe que a realidade é outra, o aspecto escandinavo da Estônia ficou para trás e o que se vê é um país muito mais próximo da Rússia ou Polônia. Conforme o ônibus vai se aproximando do centro é possível notar diversos bairros com os famosos conjuntos habitacionais soviéticos, grandes antenas de telecomunicações, e ao chegar na estação de ônibus do outro lado da rua está um mercado de alimentos, que um dia foram grandes galpões que serviam de garagem para os dirigíveis soviéticos. O pequeno centro histórico também se destaca pelo charme e preservação de seus principais edifícios. Vale a pena subir nas torres das igrejas (algumas vezes pagas) para excelentes vistas e também para ter uma ideia da dimensão da cidade. No verão são inúmeros os festivais de arte, música e folclore que tomam as ruas e tornam o ambiente ainda mais agradável. Sem dúvidas caminhar pela cidade é a melhor opção para conhecer seus meandros e seus deliciosos jardins cortados por canais e rios. Riga, conta com uma agitada vida noturna que vai desde sofisticados restaurantes, passando por animadas discotecas e inúmeros bares e pubs.

Saindo um pouco da capital em direção ao interior um ótimo destino é Sigulda, a pouco mais de uma hora de trem ou ônibus de Riga, a cidade é um ótimo ponto de partida para explorar o Parque Nacional de Gaujas. A pequena cidade conta com boas opções de acomodação, principalmente com ótimos campings que oferecem aluguel de barracas e uma excelente estrutura de banheiro e cozinha. Em Sigulda também é possível alugar caiaques e remar pelo rio Gaujas, sem dúvidas uma experiência sem igual. As águas tranquilas e refrescantes do rio tornam o passeio especial. Em meio a densa floresta é possível avistar castelos medievais e lindas vistas. Além disso, o parque conta com diversas praias na beira do rio, que ajudam a tornar a aventura mais relaxante. Também é possível explorar o parque de bicicleta, com alguma disposição é possível sair de Sigulda e chegar a Cesis, a maior cidade da região, são cerca de 40km de distância. Em meio a isso tudo será normal cruzar com alguma raposa. Aqueles com mais coragem podem se aventurar em uma descida de Bobsled na mais importante pista de gelo do leste-europeu. Por conta de sua geografia acidentada, Sigulda conta com a principal pista da região, construída durante a ocupação soviética, hoje ela é utilizada pela seleção nacional (alguns dos grandes nomes da equipe letônia de bobsled são naturais da cidade) e também pela equipe russa, que não tem uma estrutura equivalente no seu território. A pista é aberta a visitação e quem quiser, pode, pagando um pouco mais descer em um trenó.

rua ladeada de árvores em vilnius
Avenida em Vilnius, Lituânia.
castelo de trakai na lituânia
Castelo de Trakai.

Seguindo rumo ao sul em algumas horas de viagem se chega a Lituânia. Dos três estados bálticos é este é o mais populoso e o mais desigual. Sem dúvidas será aqui onde você verá mais pobreza nas ruas, entretanto, muito menos do que em países como Espanha, Itália e Grécia. Vilnius, é uma cidade grande que surpreende seus visitantes. A chamada “cidade velha” é bastante ampla e extremamente agradável, por suas ruas é possível perceber a tranquilidade da vida na cidade que assim como as demais capitais da região possui um ritmo de vida mais lento e provinciano. Cortada pelo rio Neris, as caminhadas se tornam mais aprazíveis, ciclovias estão por todos os lados e mesmo a pé em um ou dois dias é possível conhecer bem suas principais atrações. Entre elas a imperdível Colina Gediminas, local de fundação do país e de sua independência. Vilnius também se destaca por ter tido uma grande comunidade judia antes da Segunda Guerra Mundial, hoje são apenas cinco mil judeus e somente uma sinagoga restante, há também “Valstybinis Vilniaus Gaono Zydu Muziejus”, importante museu que reúne a história da comunidade judaica da cidade.

Nos arredores da cidade, há 28km de distância está Trakai. Facilmente acessível de ônibus esta pequena cidade que se caracteriza pela mistura de prédios soviéticos e casinhas de madeira e que um dia foi a capital do Ducado da Lituânia. A grande atração da cidade é o castelo medieval que está localizado em uma ilha em meio a canais e rios, formando uma paisagem indescritível. Na beira dos lagos são diversos os vendedores de artesanato local. Sem dúvidas um passeio que vale a pena, principalmente por poder desfrutar dos belos rios e lagos no entorno da cidade. Se você sair pela manhã de Vilnius em direção a cidade poderá voltar no final da tarde e terá conhecido uma das joias da Lituânia.

O mar Báltico e suas novas repúblicas são um pedaço da Europa ainda desconhecido por muitos e que guarda aspectos particulares e paisagens ainda intocadas. Conhecê-los é um privilégio, sem dúvidas é um destino que deve estar nos planos de todo viajante.

:: Escrito de acordo com a ortografia brasileira ::